Enxaguantes bucais podem reduzir carga viral do coronavírus, diz estudo

Enxaguantes bucais podem reduzir carga viral do coronavírus, diz estudo

Foram testados oito tipos de enxaguantes bucais na pesquisa alemã.

Uma pesquisa divulgada pela Universidade Ruhr-Bochum, da Alemanha, indicou que algumas fórmulas de enxaguante bucal são capazes de inativar o novo coronavírus. Publicado no The Journal of Infectious Diseases, o artigo leva em consideração que as glândulas salivares são os principais locais de replicação e transmissão do vírus. “A antissepsia nasal e oral tem sido sugerida para diminuir o número de partículas de vírus aerossolizadas ativas das passagens nasais e da cavidade oral e consequentemente, reduzir o risco de transmissão de Sars-CoV-2”, diz o estudo.

Foram testados oito tipos de enxaguantes bucais, com diferentes compostos ativos. Eles eram misturados com partículas virais durante 30 segundos para simular o efeito do gargarejo. Então, os pesquisadores aplicaram a mistura às células do tipo Vero E6, que são receptivas ao novo coronavírus. Três dos produtos escolhidos para a pesquisa “reduziram significativamente a infecciosidade viral em até três ordens de magnitude.”.

Ou seja, os enxaguantes bucais não inibem a produção de vírus nas células, mas podem reduzir a carga viral a curto prazo. “Em resumo, fornecemos evidências de que o Sars-CoV-2 pode ser eficientemente inativado por bochechos orais disponíveis comercialmente em curtos tempos de exposição de 30 segundos”, conclui o artigo.

Fonte: Bahia Municípios

Destaques Informação Notícias